A minha Moleskine é um blog!

Outubro 31 2011

 

Hoje é noite de Halloween e amanhã é dia de Pão por Deus...

Estamos em casa da avó...A Inês está em pulgas porque amanhã vai pedir os bolinhos de porta em porta...

Mas hoje já preparámos a nossa abóbora...

 

 
publicado por vcl às 18:32

Outubro 31 2011
publicado por vcl às 09:22
Tags: ,

Outubro 31 2011

 

Este post que agora escrevo vem no seguimento do post dedicado a João de Deus.

 

Era impossível para mim escrever sobre a minha filha sem falar destes dois tópicos.É essencialmente para ela que escrevo.{#emotions_dlg.heart} Quero que lembre qual o método pelo qual aprendeu a ler e a escrever e desejo que sinta reconhecimento por um homem que criou um método em 1876 (100 anos antes da mãe dela nascer){#emotions_dlg.tongue} que ainda hoje é reconhecido como extraordinário!

 

 

"Ser homem é saber ler" (1877)

 

 

 

Características do método:

 

- O Abecedário é apresentado por partes e relacionado com palavras do dia-a-dia da criança. Palavras que se digam, que se ouçam;

 

- Os aspectos visuais também são uma característica. Ainda hoje não há método com esta característica. As palavras são escritas a preto e cinza para ajudar na divisão silábica;

 

- O uso do livro grande na sala de aula. Na escola da Inês a cartilha em tamanho grande está presente na sala a partir do 5 anos;

 

- Cada criança segue a cartilha ao seu ritmo (e não ao ritmo da turma). Lembro-me da Inês me dizer que no bibe vermelho (5 anos) iam à cartilha em grupo e que existiam grupos que iam mais à frente que outros;

 

- Fomenta a autocorrecção, porque estimula a criança a analisar a linguagem através da explicação das regras;

 

- As consoantes são ensinadas através dos valores que possuem (vários sons que apresentam nas palavras);

 

- Parte do mais simples para o mais complexo;

 

- A cartilha está organizada por lições e é tão clara e tão simples que as mães ficavam aptas a ensinas os seus filhos... daí o nome cartilha maternal...

 

 

A cartilha está organizada da seguinte forma: [i], [u], [o], [a], [e], [v], [f], /j/ [ʒ], [t], [d], [b], [p], [l] (lêlhe), /c/ (cekêxe), /g/ (jêgue), /r/ (rêre), /z/ (zêxe), /s/ (cezêxe), /x/ (kcecezêxe), [m] (metil), [n] (nenhetil), /h/.

 

 

 

As lições têm regras muito precisas e claras... quase matemáticas!!! 

 

 

Exemplo de uma lição da cartilha: 

 

 

A 16ª lição é dedicada ao /g/.

 

Diz-se às crianças que esta letra se lê jjj... e que se chama .

 

Lembram a criança que já conhecem uma letra que tem este mesmo som (o /j/; se necessário for, voltam à 4ª lição).

 

 Lê-se desta maneira quando tem à frente um /e/ (gelo) ou um /i/ (girafa).

 

A criança deve então ler palavras em que treine só este valor – exemplo: «geleia», «colégio», etc.

 

 Na lição seguinte recorda-se o primeiro valor e apresenta-se o segundo, dizendo: – Esta letra também se lê com a língua encolhida e chama-se guê [g]. Lê-se com este valor quando à frente não tem /e/ (gato) ou /i/ (gola). Com estes dois nomes formamos um só nome, que é jêgue.

 

 

publicado por vcl às 08:38

Outubro 30 2011
 
Londres é uma cidade contemporânea que nos enche as medidas. Há de tudo em Londres. História e modernidade juntam-se numa harmonia que nos deixa saudades e vontade de regressar. Em Londres há tanta coisa para ver... tanto para descobrir e aprender.

 

"Quando um homem se cansa de Londres está cansado da vida"

 

Viajámos os três em Agosto de 2010. Chegámos ao Aeroporto de Heathrow e apanhámos o comboio Heathrow Express para Paddington. Sem qualquer problema... de malas e criança a colo... uma aventura! Chegados a Paddington procurámos um autocarro que nos levasse até à zona de Chelsea, onde ficava o nosso hotel... o Pestana Chelsea Bridge que fica junto à ponte de Chelsea. Uma óptima escolha. Um hotel magnifico que deixa Portugal muito bem representado.

 

 

 

 
 
 
 
 
 Durante os vários dias que ficámos em Londres visitámos vários locais e vivemos momentos que ficarão registados para sempre na nossa memória e no nosso coração.

 

Locais visitados:

 

Buckingham Palace


 É a mais famosa residência Londrina e uma das mais conhecidas referências da cidade. Foi construído em 1705. É a residência actual da Rainha. Os salões estão abertos ao público no verão quando a Rainha vai de férias. As principais atracções do palácio são a guarda real (claro), os  Royal Mews – estábulos reais que albergam cerca de 34 cavalos incluindo os Windsor Greys que são atrelados ao coche real, o  jardim do palácio, a sala do trono, o salão de baile, onde se realizam banquetes em honra da realeza e a galeria da rainha, onde estão expostas várias obras de autores como Leonardo da Vinci.  No palácio trabalham cerca de 300 pessoas e os assuntos oficiais da monarquia são aqui tratados.

 

 

 

Ali é digno de se ver o render da guarda. Os guardas do palácio com farda vermelha e os conhecidos gorros de pele de urso são rendidos todas as manhãs às 11h00 (10h00 aos Domingos e em dias alternados no inverno). A guarda marcha para o palácio vinda do quartel de Wellington.

 

 

 

London eye


Situa-se em frente às Houses of Parliament e foi construída para celebrar a passagem do milénio. Têm uma vista panorâmica extraordinária e memorável sobre a cidade. Com 32 cabines que permitem observar em todas as direcções são um local a não perder. O percurso demora 30m. A minha moleskine registou o momento que estivemos na London eye - 05 de Agosto de 2010 - 13h30.

 

 

 

 

Museu Nacional de História


É magnifico e grátis... Tem cerca de 70 milhões de espécies...A exposição sobre dinossauros é muito interessante. A Inês amou... e o pai e a mãe também. Foi um dia muito especial e há que lá voltar!! De entre as coisas que mais gostámos estão: o simulador de sismos, o bebé modelo que emite os sons intra-uterinos, o T. Rex em tamanho real e animado..., a baleia azul em tamanho real...

 

 

 

 

 


Museu da Ciência

 

Outro óptimo e grátis! Está cheio de coisas interactivas e explora o mundo da ciência. Destaco a nave lançada para a lua em Maio de 1969, bem como a réplica da Apollo 11 que permitiu a Neil Armstrong caminharem na lua em Julho de 1969, puffing billy, a locomotiva a vapor mais antiga do mundo e o primeiro x-ray de 1869.

 

 Puffing billy, a locomotiva a vapor mais antiga do mundo

 

 Réplica da Apollo 11

 

221-B da Baker Street – a casa de Sherlock Holmes

Sherlock Holmes apareceu em mais de 60 histórias criadas por Arthur Conan Doyle escritas durante um período de 40 anos. Como estudante de medicina da Universidade de Edimburgo, Conan Doyle aprendeu várias técnicas que lhe permitiram aventurar-se no munda da investigação criminal. A explosão das Ciências forenses deu-se nas últimas décadas do século XIX, período em que os casos de Sherlock Holmes estavam a ser preparados. Doyle descobria as técnicas da IC e partilhava-as com o seu Sherlock. Muitas destas técnicas permanecem actuais.  Conan Doyle e Sherlock Holmes contribuíram assim de forma decisiva para o estudo da criminologia. A dedução e a inferência próprias da análise de informações também faziam parte das suas investigações. Quem não se lembra da tão célebre frase: “Elementar, meu caro Watson!
Locard foi um dos primeiros a ter a noção do seu trabalho solicitando aos seus alunos que se familiarizassem com as histórias de Sherlock e referindo que as mesmas já preconizavam o princípio – “todo o contacto deixa um rasto”.
E quem não se lembra do famoso 221-B da Baker Street. Hoje é o museu de Sherlock Holmes.

 

 

St Paul's Cathedral

Possui algumas semelhanças com a Basílica de São Pedro em Roma (que também já tive o prazer de conhecer e que amei). A sua cúpula tem o maior sino da Europa. Aqui casou o príncipe de gales com a lady Diana Spencer em 1981. A catedral é conhecida pela música... os coristas advêm da escola da própria catedral...

 

 

Destaco igualmente:

 

Westminster Abbey - onde se realizaram a coroação  da Rainha Isabel II e as cerimónias fúnebres de Diana;

 

Parliament Square - o centro político  e espiritual da cidade.

 

 

Tower of London -Fortaleza à beira – rio está associada a uma antiga prisão (onde esteve, por exemplo, Thomas More) e local de execuções. Foi construída por volta de 1078. Diz-se que quando os corvos deixarem a Tower of London, esta cairá, assim como a monarquia. Há seis corvos residentes tratados pelos Ravenmaster (mestres dos corvos). Actualmente guarda as jóias da coroa e nela são exibidas várias exposições.

 

 

 

 

 

Para programar esta viagem foi de grande ajuda o Blog da Tuga em Londres. Recomendo.

http://tugaemlondres.blogs.sapo.pt/

 

Aqui ficam igualmente outros links...

http://www.pestana.com/pt/pestana-chelsea-bridge-hotel/pages/home.aspx (Hotel Pestana Chelsea Bridge)

 

http://www.nhm.ac.uk/ (Museu Natural de História)

 

http://www.sciencemuseum.org.uk/ (Museu da Ciência)

publicado por vcl às 18:31

Outubro 28 2011

Ontem, antes de dormir estivemos a rever a 19ª lição da cartilha maternal… esta parece ser, de facto a lição mais difícil… mas tu não pareces-te muito preocupada… nem intimidada com os valores do S…

 

Esta é uma letra com vários casos de leitura e vários valores, consoante a sua posição na palavra.

 

1º valor  [sss]

Esta letra lê-se [s] quando está no princípio da palavra (sapato);

Quando estão dois juntos (tosse);

E às vezes quando está entre uma consoante e uma vogal (valsa).

 

2º valor [z]

Quando está entre vogais (casa).

 

3º valor [x]

Quando está no fim da palavra (botas)

Ou no fim de sílaba (foste).

 

publicado por vcl às 12:03

Outubro 28 2011

Adoro desenhar contigo!

 

 

publicado por vcl às 11:19

Outubro 27 2011

 

Fica aqui registado o tamanho da tua MÃO aos 6 anos de idade!!! E nela algumas "coisas" que fazem parte da tua vida...

 

 

 

 

publicado por vcl às 12:07

Outubro 27 2011

Ontem foi dia de catequese! Tu és de facto extraordinária... quando te fomos buscar perguntámos como tinha corrido e tu disseste que tinham aprendido o Pai Nosso!! Pedi-te para o dizeres... e tu foste impressionante! És de facto extraordinária… Que orgulho!

 

Foi ontem,  dia 26 de Outubro de 2011...

 

publicado por vcl às 11:42

Outubro 27 2011

 

 

 

Este é o primeiro de uma triologia fascinante. Recomendo!

 

O autor  Stieg Larsson foi jornalista e escritor. Era Sueco. Pouco depois de entregar aos seus editores os manuscritos da Triologia Millennium faceleu de ataque cardíaco sem ter assistido ao fenómeno de vendas... Tinha 50 anos. Em 2008  foi o segundo autor mais vendido no mundo...

 

 O jornalista de economia MIKAEL BLOMKVIST precisa de uma pausa. Acabou de ser julgado por difamação ao financeiro HANS-ERIK WENNERSTÖM e condenado a três meses de prisão. Decide afastar-se temporariamente das suas funções na revista Millennium. Na mesma altura, é encarregado de uma missão invulgar. HENRIK VANGER, em tempos um dos mais importantes industriais da Suécia, quer que Mikael Blomkvist escreva a história da família Vanger. Mas é óbvio que a história da família é apenas uma capa para a verdadeira missão de Blomkvist: descobrir o que aconteceu à sobrinha-neta de Vanger, que desapareceu sem deixar rasto há quase quarenta anos. Algo que Henrik Vanger nunca pôde esquecer. Blomkvist aceita a missão com relutância e recorre à ajuda da jovem LISBETH SALANDER. Uma rapariga complicada, com tatuagens e piercings, mas também uma hacker de excepção. Juntos, Mikael Blomkvist e Lisbeth Salander mergulham no passado profundo da família Vanger e encontram uma história mais sombria e sangrenta do que jamais poderiam imaginar.

 

Os outros...

 

A rapariga que sonhava com uma lata de gasolina e um fósforo

 

 

 

Neste segundo volume da trilogia Millennium, Lisbeth Salander é assumidamente a personagem central da história ao tornar-se a principal suspeita de dois homicídios. A saga desenvolve-se em dois planos que se complementam e só a solução do primeiro mistério trará luz ao segundo:  Há que encontrar os responsáveis pelo tráfico de mulheres para exploração sexual para se descobrir por que razão Lisbeth Salander é perseguida não só pela polícia, mas por um gigante loiro de quem pouco se sabe.

 

 

 A rainha no palácio das correntes de ar

 

 

 

Lisbeth Salander sobreviveu aos ferimentos de que foi vítima, mas não tem razões para sorrir: o seu estado de saúde inspira cuidados e terá de permanecer várias semanas no hospital, completamente impossibilitada de se movimentar e agir. As acusações que recaem sobre ela levaram a polícia a mantê-la incontactável. Lisbeth sente-se sitiada e, como se isto não bastasse, vê-se ainda confrontada com outro problema: o pai, que a odeia e que ela feriu à machadada, encontra-se no mesmo hospital com ferimentos menos graves e intenções mais maquiavélicas…
Entretanto, mantêm-se as movimentações secretas de alguns elementos da Säpo, a polícia de segurança sueca. Para se manter incógnita, esta gente que actua na sombra está determinada a eliminar todos os que se atravessam no seu caminho.
Mas nem tudo podia ser mau: Lisbeth pode contar com Mikael Blomkvist que, para a ilibar, prepara um artigo sobre a conspiração que visa silenciá-la para sempre. E Mikael Blomkvist também não está sozinho nesta cruzada: Dragan Armanskij, o inspector Bublanski, Anika Gianini, entre outros, unem esforços para que se faça justiça. E Erika Berger? Será que Mikael pode contar com a sua ajuda, agora que também ela está a ser ameaçada? E quem é Rosa Figuerola, a bela mulher que seduz Mikael Blomkvist?
publicado por vcl às 11:16

Outubro 27 2011

Este livro foi uma descoberta extremamente agradável. Amei... Acho que tem tudo a ver comigo... Adoro livros que me levam a viajar... a sentir os cheiros... os lugares e as pessoas. Sem dúvida a não perder. Já vi igualmente o filme... mas o livro é mais intenso!

 

Aos 34 anos, Elizabeth Gilbert, escritora premiada e destemida jornalista da GQ e da SPIN, descobre que afinal não quer ser mãe nem viver com o marido numa casa formidável nos subúrbios de Nova Iorque e parte sozinha numa viagem de 12 meses com três destinos marcados: o prazer na Itália, o rigor ascético na Índia, o verdadeiro amor na Indonésia. Irreverente, espirituosa, senhora de um coloquialismo exuberante, Elizabeth não abandona um minuto a sua auto-ironia e conta-nos tudo acerca desta fuga desesperada ao sonho americano que começou no momento em que encontrou Deus.
Quando fez 30 anos, Elizabeth Gilbert tinha tudo o que uma mulher americana formada e ambiciosa podia querer: um marido, uma casa, uma carreira de sucesso. Mas em vez de estar feliz e preenchida, sentia-se confusa e assustada. Depois de um divórcio infernal e de uma história de amor fulminante acabada em desgraça, Gilbert tomou uma decisão determinante: abdicar de tudo, despedir-se do emprego e passar um ano a viajar sozinha. "Comer na Itália, Orar na Índia e Amar na Indonésia" é uma micro-autobiografia desse ano.

O projecto de Elizabeth Gilbert era visitar três lugares onde pudesse desenvolver um aspecto particular da sua natureza no contexto de uma cultura que tradicionalmente se destacasse por fazê-lo bem. Em Roma, estudou a arte do prazer, aprendeu a falar Italiano e engordou os 23 kilos mais felizes da sua existência. Reservou a Índia para praticar a arte da devoção. Com a ajuda de um guru nativo e de um cowboy do Texas surpreendentemente sábio, Elizabeth empenhou-se em quatro meses de exploração espiritual ininterrupta. Em Bali, aprendeu a equilibrar o prazer sensual e a transcendência divina. Tornou-se aluna de um feiticeiro nonagenário e apaixonou-se da melhor maneira possível - inesperadamente.

 

 

publicado por vcl às 11:07

Estas são as minhas anotações sobre a vida! Quero registá-las para não as esquecer! Quero que um dia as possas ler!
mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
19
21

23
24
25
26
29



subscrever feeds